Sobre

Foto por Isa Meneghini e Rafael Almeida - Volta Produções

Thiago Correia de Carvalho Morais, natural de Recife/PE, é músico, compositor, produtor musical, arranjador, poeta e artista visual brasileiro. Iniciou seu caminho na música em 2005, como baixista, aos 17 anos. Em 2008 deu início a sua carreira profissional como membro de diversas bandas covers e autorais na cena recifense, tocando em várias casas de show, dentre algumas bandas covers que tocou, estão; El Mocambo, Rodrigo Morcego e os Irmãos Brothers, Downtown Band, UK Band, Friday Night e Divas Rock.

Em 2009, junto com seu irmão Rodrigo Carvalho, convidou o amigo e guitarrista João Victor para formar a banda de rock instrumental Epcos, conquistando destaque na cena autoral lançando o EP "Expresso Dinamite". Realizando shows pela cidade do Recife e fora do estado de Pernambuco, tocando no CE, AL, RN, PB e SP. Com o término do trio em 2012, formou o duo artístico e de produção musical "Eu e A Duplicata", também junto com seu irmão, assumindo os nomes artísticos de Rodrigo Duplicata e Thiago Duplicata. Com o duo lançou o EP "Varados de Fome"(2014), o álbum "A Carne Ferve"(2015),  co-produziu o EP "O Morro da porta do céu"(2016) com o artista e compositor Sambê, lançou o álbum "Nada a Perder"(2017) em parceria com o cantor Cassio Sette e o EP "Santos de Guerrilha"(2017) em parceria com o compositor e cantor Rogerman(Bonsucesso Samba Club). Em 2018 lançou os EPs "Blendbuco Nordestronic" e "Vuco-vuco Na Muvuca" misturando música eletrônica e música regional pernambucana. Durante todos esses anos, como músico contratado/convidado também tocou e/ou gravou com diversos artistas e bandas, tais como: Thecoro, Grupo da Quinta, Feiticeiro Julião, Terra Prima, Helton Moura, Sonic Jr., Felipe Cazaux(CE), Gustavo Andrade(MG), Chris TT(ING), Nilo Gonçalves, dentre outros.

Em 2019 produziu o álbum "Manhã de Amanhãs" do compositor Rogerman, lançado pela YB Music em São Paulo. Compôs a trilha sonora para a performance Bugre Diphusa de Kall Andrade, lançou o EP "Background Feelings"que tem como temática o gênero Lo-fi e a música ambiente e lança também o EP "Tudo o que a vida tem pra dar", no qual musicou alguns de seus poemas.

Thiago Correia de Carvalho Morais é formado em licenciatura em música pela UFPE(2014.2) e durante a graduação ganhou uma bolsa para um intercâmbio de 1 ano na Leeds Metropolitan University para estudar produção musical entre 2012 e 2013 na Inglaterra. Entre 2006 e 2008 estudou contra-baixo elétrico no Conservatório Pernambucano de Música(CPM) e entre 2007 e 2011 estudou Harmonia Contemporânea, Harmonia Avançada e Orquestração na escola Cia dos Músicos(Tritonis). Além disso, cursou produção de música eletrônica na Make Music Now(2018), escola online do DJ e Produtor Felippe Senne.

Em outras artes, atuou como um dos atores protagonista no filme de Marcelo Coutinho "O Lugar de Todos os Lugares", filme esse comissionado pela 30a Bienal de São Paulo, onde teve exibição em 2012 e em 2018 participou da serie “Lama dos Dias” de Hilton Lacerda e Hélder Aragão, pelo Canal Brasil.

Na literatura, obteve 2 poemas selecionados para duas edições da "Antologia de Poesia Brasileira Contemporânea" da Chiado Editora, "Tudo o que a vida tem pra dar" e "Eu interior", além de lançar seu primeiro livro de poesia "Fragmentos de Solitude" de forma independente, através da Amazon.

 

Inspirado pela rica e fervilhante cultura artística da cidade de São Paulo, onde reside desde 2018, iniciou seu trabalho nas artes visuais realizando diversas séries de obras onde faz seu processo de encontrar a si mesmo através da tinta. Suas artes quase sempre flertam com o autorretrato ou com alter egos abstratos. Nessa busca, é possível e permitido não se reconhecer, e ainda assim, não se descartar. As imperfeições, os medos e as incertezas juntos com a coragem, a intuição e o livre errar, ajudam na ação de se conhecer e de se chegar em algum lugar. Em um eterno riscar e arriscar, se faz da utilização de formas geométricas, riscos caóticos, traços únicos, cores vivas e rostos quase sempre desfigurados, de forte expressão.

A sua primeira série, “Perfeito Imperfeito”, é onde faz uma mescla entre a tinta aquarela ou acrílica, desenhos em caneta e poesias em papel. Sua segunda sério, "Seres" é um desdobramento da primeira, porém sem poesias e marca o início de trabalhos em tamanhos maiores, como no papel A2. Em 2020 inicia "Masks", um novo processo de desdobramento da série "Seres", onde trabalha com tinta acrílica e pastel oleoso em papel.

Thiago_Morais_07_-_Foto_por_Isa_Meneghin